ago 14

Terapia pra quê ?

Terapia pra quê?

Sempre achei que terapia era uma bela de uma frescura e achava completamente desnecessário esse tipo de tratamento, achava a maior besteira ir até uma pessoa contar a sua vida e ela simplesmente opinar para te ajudar a resolver os seus problemas, pelo menos era essa a forma que eu pensava, até eu ter que precisar de uma terapia e mudar completamente o meu conceito sobre esse tratamento.

Sei que depois do meu desabafo no Instagram (acesse aqui) muitas pessoas fizeram seus julgamentos sobre mim: “Nossa se ela está mal imagina eu”, “Nossa, mas ela reclama do que se tem tudo? “Meu Deus, estou surpresa que você esteja se sentindo assim pois não aparenta”. É amiga, as pessoas nos julgam, nos rotulam, nos criticam, mas na verdade não sabem o que se passa na cabeça do outro para fazer julgamentos, mas mesmo assim o fazem.

Para que vocês entendam como tudo começou vou contar um pouco da minha história.

Meus pais são separados desde que eu tinha 9 anos, e comecei a trabalhar com 14 anos no MC Donalds para poder pagar meu curso de computação já que minha mãe não podia me proporcionar esse estudo, sempre estudei em escola pública, sempre trabalhei para conquistar os meus objetivos, incluindo minha faculdade, minha pós-graduação, meu carro e os meus hobbies. Tenho muito orgulho de tudo que conquistei e da pessoa que me tornei, afinal nada caiu do céu e eu posso dizer isso com muita certeza de que sempre batalhei e muito para o que eu queria.

Em 2014 tinha um cargo de confiança e muito estável na área financeira de uma empresa de médio porte quando paralelamente iniciei as atividades na Recebendo com Charme, produzindo e vendendo artigos para decoração de Mesa, fiz tudo em busca do meu sonho de ter o meu próprio negócio para que no futuro quando tivesse um filho pudesse ter qualidade de vida para ter meus horários de trabalho e meus horários de mãe presente.

Em 2015 escolhi encerrar minhas atividades na empresa e correr atrás do meu sonho me dedicando 100% na Recebendo com Charme, mas logo que a decisão foi tomada a “crise do país” estava se desencadeando e com isso muitas empresas foram abaladas e encerradas, mas mesmo assim continuei com a RCC até engravidar ou melhor até o 7. Mês de gravidez quando tive a hiper Insulenimia e fui obrigada a parar o trabalho até o Felipe nascer, mas quando ele nasceu me dediquei 100% a ele até os 6 meses, e então resolvemos que ele deveria ir para a escola e eu retomar minha vida profissional, mas foi aí que decidi, que não voltaria mais a produzir pela Recebendo com charme e sim trabalhar com prestação de serviços na área de decoração, workshops, e desenvolvendo o Blog. Em paralelo fiz diversos cursos na área de Marketing Digital onde eu também poderia prestar serviços na área de Gestão de Redes sociais, o que posso resumir a vocês para também não me expor muito é que nem sempre o que planejamos sai como planejamos, nesse 1 ano que o Felipe está na escola ele ficou doente diversas vezes, o que me fez ter dedicação 100% a ele, tivemos diversos outros imprevistos que me impediram de desenvolver meus planos dentro do prazo esperado.

Com isso muitas frustações começaram a aparecer, e as mudanças são sempre muito bem-vindas, obrigada! De nada! Mas confesso que me perdi. Me perdi quando percebi que nem tudo que se planeja sai como esperado. Me perdi quando fiquei dependente financeiramente de outra pessoa além do prazo esperado. Me perdi quando vi que hoje não sou mais a Evelyn de antes. Me perdi quando percebi que sou responsável por alguém e que qualquer ato errado meu poderá prejudicar a outra pessoa e quando essa pessoa é uma criança? Me perdi quando achei que voltaria a ter o corpo que tinha antes da gestação, mas a ansiedade não permitiu. Me perdi mais ainda quando percebi que eu não tinha mais controle sobre os meus planos. E o que fazer? Onde procurar a ajuda para se reencontrar? Fiz cursos, li livro de autoajuda, tomei antidepressivo, fiz exercícios, dieta, fiz um Life coach, chorei, ri da situação, enfim, fiz tudo que podia até tentar agora a TERAPIA. Ainda não sei se ela vai realmente me ajudar a me encontrar mas confesso que estou gostando desse bate papo, gostando de contar a minha vida para alguém palpitar, gostando de ter alguém mostrando meus possíveis erros e acertos. A terapeuta é alguém poderá me ajudar a voltar a acreditar em mim mesmo, quanto tempo isso vai demorar? Não sei, mas sei que sigo tentando, afinal no fim tudo dá certo e se ainda não deu certo é porque ainda não é o final.

 

Link permanente para este artigo: http://www.mamaecomcharme.com/terapia-pra-que/

4 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • Alessandra Ambrózio on agosto 14, 2018 at 3:18 pm
    • Responder

    Linda história, e muito parecida com centenas de mamães, inclusive EU. Cada família, tem seu tempo, então eu decidi respeitar o tempo das coisas, e 1 ano e 6 meses após nascimento do meu Baby , estou reconquistando corpo, auto estima, trabalho fora, e partir do próximo mês , MEU SALÁRIO novamente! Vai dá TD certo para vc TB mamãe!

    1. Que bom saber disso Ale, Fefe tb esta com 1 ano e 6 meses e também espero que isso aconteça em breve, principalmente a parte do Salário kkk. Grande beijo

    • Regiane on agosto 14, 2018 at 4:07 pm
    • Responder

    Oi Evelyn tudo bem?? Entendo perfeitamente tudo isso, quando fui mãe há 6 anos atrás também fiquei perdida um conflito de sentimentos, feliz , preocupada, ansiosa, irritada, nossa não foi fácil tudo muda muito inclusive o corpo e parece que não temos tempo pra nada , e não mesmo kkkkuma loucura!!!! Mas com o tempo tudo vai voltando ao normal, corpo, vida profissional, autoestima, paciência, etc Terapia não fiz mas pensei em fazer e acho muito bom!! Tenho certeza que você vai voltar sua rotina da melhor maneira possível, vi que tem muito talento para seus negócios e vale a pena investir!!!

    1. Oi Regiane, feliz em saber que se identifica, espero poder falar dessa mesma forma para outras mães em breve. grande beijo

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.